Aniversário 500 de Bénédictine: O segredo centenário de um monge

Se fosse dado ao monge beneditino Dom Bernardo Vincelli um bolo de aniversário em homenagem ao licor de ervas criado por ele, existiriam velas suficientes para iluminar sua abadia, pois 2010 marca os 500 anos do licor Bénédictine. Em 1510, na Abadia Fécamp na Normandia, França, Dom Vincelli baseou-se no conhaque para produzir um complexo elixir onde 27 ervas e temperos foram infundidas, destiladas, e envelhecidas múltiplas vezes dentro de um período de dois anos. Em 1789, durante a Revolução Francesa, esse receita desapareceu mas foi redescoberta em 1863 por um comerciante de vinhos e colecionador de arte medieval, Alexandre Le Grande, que a rebatizou D.O.M. Bénédictine. D.O.M. é latim para “Deo Optimo Maximo” — Para Deus, maior dos bons, maior dos maiores.

Para essa celebração centenária, foram produzidas em edição limitada as garrafas Black Monk, um tributo às negras vestes talares dos monges beneditinos, gravadas com rachaduras que lembram os potes originais da bebida. O rótulo com fios de ouro lembra a alquimia, e um selo dourado reproduz o brasão da abadia de Fécamp. Dentro está o mesmo doce, apimentado e cítrico licor que inspirou coquetéis como o Singapore Sling e Vieux Carré, para armazenar a receita secreta por mais 500 anos.